2 dias na Selva do Belize: Em busca de crocodilos nas Caraíbas

Viagem ao México: Dois dias pela selva do Belize

Dois dias serviram para nos deixar absolutamente rendidos às paisagens do Belize. Fizemos uma pequena escapadinha para uma excursão pelo rio Hondo, bem no meio da selva Lamanai, onde foi possível ver uma grande diversidade de animais, plantas e até ruínas maias!
Lê este artigo para ficares a saber tudo sobre esta aventura!

Ambiente “Tom Sawyer” nas margens do rio Hondo

Não que estivessemos cansados das férias no México, nada disso. Mas já que estávamos nas Caraíbas e não estávamos muito longe do Belize, decidimos dar um saltinho de dois dias a esta que é uma das florestas mais bonitas do planeta. Pois tem uma diversidade de fauna e flora absolutamente inacreditável.

Ficámos alojados no Lamanai Hotel & Marina, um hotel bem ao estilo das Aventuras de Tom Sawyer, em casinhas sobre a água. Situa-se em Orange Walk, um dos distritos da região do Belize. Apesar de não ser um hotel de luxo, este é, na nossa opinião, o alojamento ideal para ficar se queres fazer esta excursão de lancha pelo rio Hondo. O Lamanai Hotel & Marina fica junto ao rio e pelos relvados do espaço, costumam passear alguns crocodilos. O que te permite ter algum contacto visual com eles. Mas não te preocupes. Porque, ao contrário dos crocodilos de água salgada, estes são muito contidos nas suas aparições e não atacam às boas! Eheh

No entanto, é de referir que, por aqueles lados, os cuidados com o ecossistema são muito descurados. Em parte devido às descargas feitas no rio Hondo por uma fábrica de açúcar que está sob a alçada do estado. Assim, os animais fogem, tentando escapar à morte e, por este motivo, não tivemos a sorte de ver quaisquer crocodilos a passear pelo relvado do hotel durante a nossa estadia no Belize. 🙁

Partir à descoberta do Belize

Depois de um excelente pequeno almoço, seguimos viagem de carrinha até ao pequeno porto onde começaria o nosso passeio de lancha. O Rafita estava já desertinho para entrar na água, tivemos de o conter para que não fosse servir de almoço aos amigos crocodilos. 🙂

Foi 1 hora de passeio e descoberta num rio em que o curso de água era, ora largo e imenso, ora estreito, por entre a vegetação densa. Porém, este rio é bastante profundo e talvez por isso não tenhamos avistado crocodilos em nenhum ponto do trajeto.

Mas a selva Lamanai escondia também outros tesouros. Estes, bem antigos e guardados quase a sete chaves pela flora da região – as Ruínas Maias de Lamanai (que em português significa “Crocodilo debaixo de água”). Este conjunto de estruturas arquitetónicas é o que resta de uma cidade maia e o início da sua construção remonta ao ano de 1500 a.C.. Foi um importante espaço cerimonial no período pré-clássico, pelo que é composto por três templos: O Tempo do Jaguar, o Templo das Máscaras e o Templo Alto que, como o nome indica, é o ponto mais alto, cuja vista é de cortar a respiração, senão vê com os teus próprios olhos!

As estruturas são mesmo imponentes e fazem-nos sentir pequeninos. Ali, junto dos templos, quase conseguíamos imaginar e entrar no quotidiano daquela civilização de há tantos e tantos anos!

O descanso dos guerreiros

O calor era cada vez mais forte e já nos sentíamos a destilar em pleno território Maia! Eheh. Durante o percurso que fizemos a pé pela antiga cidade, o nosso guia deu-nos a provar um fruto seco de um tipo de palmeira específico daquela zona – o Cohume nuts – que não só é comestível, com um leve sabor a côco no interior, como é também usado para produzir óleos e outros produtos de estética. Delicioso e ótimo para recarregar baterias!

Quase no fim do roteiro, tivemos direito a um belo repasto para repor todas as energias gastas sob aquele sol intenso. Por fim, um banhinho de rio vinha mesmo a calhar, mas só o Pedro se aventurou. A Sara jogou à defesa, com receio dos crocodilos.
E foi mesmo ao chegar a terra que avistámos, ao longe, uma ou duas iguanas. Grandes mas ágeis, mergulharam nas águas do rio e quase não davam oportunidade para os vermos. Desta vez, tivemos sorte! 🙂


Foi um dia muito cansativo mas, acima de tudo, muito compensador. Valeu a pena cada pingo de suor (e foram muitos!) para conhecer todos aqueles lugares cheios de História, em plena natureza! Terminámos esta jornada com um jantar na varanda do nosso quarto, com uma vista apaziguadora sobre o rio. Haverá melhor fim de dia? 🙂

aqui o vídeo da nossa aventura pelo Belize!

Beijinhos, abraços e lambidelas

Sara, Pedro e RAFITA 🐶

por:

TUGA.ME team